sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

algum determinismo, ou algum livre-arbítrio?


E se Einstein, em vez de em um distrito alemão no séc. XIX, nascesse hoje na favela do Complexo do Alemão em pleno Rio de Janeiro do séc. XXI? Seria possível ainda ser Albert Einstein, ou o meio o definiria como mais um abrigo de feridas de facões e balas de um AR-15?

Se assim fosse, ao pesquisá-lo no google, deveria digitar a data de seu assassinato em vez de um nome conhecido. Se mesmo assim não o encontrasse nas manchetes on-line, pelo fato de não ter atirado na boa moça antes de morrer, a maneira mais fácil de o encontrar provavelmente seria nos arquivos da PM do Rio, ou, mais provavelmente ainda, eu o encontraria junto a milhares de outros em uma barra de gráfico de mortalidade na revista Veja!

Quem vai negar? Algum tipo de determinismo está mais que escancarado. Se o Einstein do Complexo do Alemão punhasse uma nova teoria, aposto que de Teoria da Relatividade tornaria a ser Teoria da Falta de Oportunidade. Quem vai negar?

Tenho refletido sobre essas questões todas de livre-arbítrio, seu ponto de partida, suas fronteiras, sobre a determinação do meio sobre as escolhas e possibilidades de escolha que temos. É fácil olhar para a foto de um menino como este acima e enumerar as melhores decisões que o levariam a uma possível vida de sucesso. Mas onde estão os jarros para ele beber dessas escolhas? Estão em nossas mãos. E quando lhes damos os jarros, ainda nos espantamos de não surtir o efeito esperado. Só não percebemos que demos os jarros já vazios.




.QUEM VAI NEGAR?

3 comentários:

brauller disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
brauller disse...

Jarros vazios para quem conhece a Cristo e é irmão em Cristo Jesus, provavelmente não ofereceria isso...

Mas a palavra diz em vários pontos que o pecado está no homem...Muitas vezes o meio em que o garotinho da foto vive não o permite que desfrute desse vazo...Por mais cheios de coisas boas que ofereçamos...

O Ponto de partida para quebrar o determinismo e até mesmo o livre-arbítrio no ser humano, seria e sempre vai ser Cristo que "Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo."

Ninguém está livre do pecado, ainda que pareça determinismo ou com qualquer outra definição.

Glória a Deus nas alturas que, ainda que falho, o livre-arbítrio nos permite que venhamos a escolher Cristo Vivificado. Mas só até aí...a partir desse ponto ele falha.

Logo, "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim."

Não vamos oferecer como Cristãos que entende o Verdadeiro Propósito de Deus para o homem, vasos vazios.

Não vamos tocar no assunto daqueles que se dizem seguidores de Cristo e vivem toda sua vida sem oferecer uma gota se quer desse vaso para seu próximo que não conhece a Verdade(Que é Cristo)...Cabe a ele o conserto com Deus e não e não o julgamento da minha parte pelo fato.

Temos Cristo agindo em nós agora...Não existe vida paralela entre Deus e o homem. Existe a Vida de Deus no homem...Que foi o que Ele sempre quis, mesmo depois que Adão pecou no Éden.

Temos a parcela como irmãos em Cristo de oferecer esse vaso cheio de vida, O Cristo Vivificante (E que não falha como conteúdo).

Ainda que a carne de quem ouvisse falar sobre esse Cristo venha lutar contra, sempre terá O Sopro do Espírito para testificar em qualquer humano que passa conhecedor do Verdadeiro Amor, mesmo que somente parcial...

O Sr Jesus é a solução, e o vaso que vivifica! Glória a Deus nas Alturas por isso =)

Vamos oferecê-lo a todos que tivermos a oportunidade para tal.

Muito bom o post. Parabéns!

Thiara SJ disse...

Quem vai negar!??
Como sempre me enchendo de Orgulho!
como vai Irmã!???

Beijos. Paz de Jesus